Sucesso é uma questão de ponto de vista

Sucesso é um conceito complicado de explicar. É subjetivo, particular e muda de sentido durante as diferentes etapas da vida. Pode ser dinheiro, status, cargo, reconhecimento ou legado, não importa a definição, mas é ele que se busca e que serve de troféu a todo o esforço e sacrifício feito na construção de uma carreira ou negócio.

Por ser subjetivo e particular e não ter uma receita única, comparar o próprio sucesso com o desempenho dos outros pode ser frustrante. Aliás, isso é bem comum nas redes sociais, onde o sucesso alheio é exposto às pencas. Tem muita gente chegando na casa do milhão ou criando negócios inovadores e a gente aqui, ainda tentando transpor as etapas mais básicas da gestão da empresa. Vendo por esse ângulo, é bem fácil nos sentirmos fracassados, não é?

Nesse cenário de informação à vista e conectividade, onde sucessos e fracassos são expostos o tempo todo, cria-se automaticamente o ‘modelo ideal’ a ser seguido. Se você tem o hábito de comparar o seu desempenho e a sua empresa com os cases das capas de revistas ou das lives do Instagram, cuidado, é bom saber separar as coisas:

  • Primeiro: Esses exemplos servem de inspiração e podem trazer novas ideias e alternativas que não estávamos conseguindo enxergar sozinhos.
  • Segundo: Nem todo o modelo de sucesso vai aderir ao seu perfil e àquilo que você busca.
  • Terceiro: Mas, afinal, o que você busca? Qual é o propósito que você definiu para sua carreira ou negócio? Aonde você quer chegar?

Nestas quase duas décadas em contato direto com centenas de pequenos empresários conheci histórias incríveis de pessoas que começaram do zero e construíram negócios bem-sucedidos. Empreendedores que por necessidade ou oportunidade, sem dispor dos recursos necessários e da preparação técnica sugerida, ergueram empresas que proporcionaram desenvolvimento e renda para muita gente. E quando perguntados sobre sucesso e realização, enchem os olhos de lágrimas, abrem um sorriso e cheios de orgulho dizem: sim, eu consegui!

Talvez eles nunca estampem as capas das revistas ou falem sobre suas histórias em talk shows. Talvez seus negócios continuem com o status de micro, mas o fato de terem conseguido atingir seus objetivos os tornam, sem nenhuma sombra de dúvida, pessoas de sucesso.

O que eu quero dizer com isso? Que o primeiro passo para atingir o sucesso é definir aonde você quer chegar, qual a sua meta. E não há meta certa ou errada, tímida ou exagerada. Há a meta que faz sentido para você no momento de vida em que você está.  A outra coisa que você precisa saber é que a régua para medir o sucesso deve ser colocada no seu ponto de partida, e não no ponto de chegada do outro. Sucesso não se compara, ele é particular e subjetivo.

Nessa busca por realização e sucesso, muitas vezes, nos perdemos nas comparações e esquecemos de definir o foco. A cobrança por resultado é tamanha que passamos mais tempo correndo atrás dos modelos de sucesso pré-prontos dos outros do que refletindo sobre o nosso.

O que Séneca disse em 65 d.C. certamente ainda tem validade nos dias atuais:  “Se um homem não sabe a que porto se dirige, nenhum vento lhe será favorável”. Mas, considerando este ambiente acelerado e disruptivo em que vivemos hoje, que sofre alterações a todo momento, eu acrescentaria que é preciso ter maturidade e resiliência para mudar de porto sempre que necessário. O ano 2020 que o diga!

Autor do post: Adriana Moser, consultora de gestão da Florença





Você gostou? Compartilhe com seus amigos