Conflitos, o que os motiva?

Quem nunca discutiu intensamente com a equipe ou outros colegas de trabalho sobre algum tema ou ponto de vista divergente? Quem respondeu ‘nunca’, me ensine a receita, por favor, porque debates acalorados são inevitáveis em qualquer relacionamento, seja dentro ou fora da empresa.

Justamente por isso ter competência para administrar conflitos é uma qualidade que precisa ser desenvolvida, e a grande sacada neste aprendizado é entender os gatilhos que os motivam, em vez de administrá-los depois que já aconteceram.

Sendo assim, confira o TOP 10 dos reagentes que colocam fogo nos conflitos e por isso precisam ser analisados e checados com frequência para manter a qualidade dos relacionamentos e o bom ambiente de trabalho: 

  1. Falta de cooperação da equipe;
  2. Fofoca no ambiente de trabalho;
  3. Disputas de poder;
  4. Problemas pessoais que afetam a vida profissional, com grande nível de influência nas atividades diárias.
  5. Necessidade de satisfação pessoal acima dos interesses da equipe ou da empresa;
  6. Inaptidão técnica ou comportamental do profissional na função que ocupa;
  7. Desmotivação com salários, postura da chefia e condições gerais do trabalho;
  8. Escassez de recursos humanos e materiais, causando sobrecarga e dificuldade na execução das tarefas;
  9. Diferentes personalidades sem que exista maturidade para lidar com elas;
  10. E o principal: falta de alinhamento, diálogo e observação constante do que acontece no ambiente de trabalho.

Ao analisar sua rotina de trabalho você vai perceber que muitos dos motivadores de conflitos estão presentes no seu dia-a-dia e fazem parte do contexto corporativo. Entenda que o objetivo não é eliminá-los, isso seria uma utopia, mas compreendê-los e trabalhá-los mais profundamente. A receita é fazer a gestão destes episódios para que conflitos comuns não se tornem doenças que se perpetuam e mudam a cultura da empresa, e para isso é preciso atenção, atitude e responsabilidade.  

Vai dar trabalho, mas essa tarefa deve fazer parte da nossa rotina para que tenhamos a habilidade necessária para ‘desarmar bombas’. Ter expertise nessa área vai evitar que você se pegue reclamando aos quatro ventos e se perguntando por que isto está acontecendo e como tudo chegou a este ponto. Vale a pena o esforço, concorda? 

 

Outros temas relacionados que você pode gostar:

 

http://www.florenca.emp.br/artigos/261/tudo-o-que-voce-faz-tem-multiplos-reflexos

http://www.florenca.emp.br/artigos/247/pare--pense-e-priorize

http://www.florenca.emp.br/artigos/188/centralizar-ou-delegar--eis-a-questao-

http://www.florenca.emp.br/artigos/155/divergencia-e-convergencia-

http://www.florenca.emp.br/videos/88/como-formar-boas-equipes-

Autor do post: Uilker Benkendorf, consultor da Florença





Você gostou? Compartilhe com seus amigos