Qualificando o chão de fábrica

Quando falamos em ‘chão de fábrica’, uma linguagem muito utilizada no setor industrial, estamos nos referindo àqueles funcionários que desempenham as funções de auxiliar, líder, coordenador, supervisor de produção e todas as atividades realizadas dentro da fábrica, ou seja, dentro do complexo industrial. Trata-se de funções que lidam diretamente com o produto e com a operação de equipamentos, ajustes e manutenção de máquinas.

Ao pensar nas indústrias de 20 anos atrás, vemos que medições de eficiência de máquinas, impressão de etiquetas e controles de produção eram realizados manualmente, com planilhas construídas em Excel e impressas para serem preenchidas. Nas empacotadoras o processo de etiquetagem de produtos era realizado de forma manual. Era comum ter um funcionário carimbando produto por produto, o que gerava mais custo para a fábrica, demandava mais funcionários e resultava em uma maior probabilidade de rejeito de produtos em função de pacotes ou embalagens mal carimbadas, borrados ou com falhas.

Destes 20 anos para cá, tivemos uma evolução muito grande em tecnologia e equipamentos. No setor industrial não foi diferente, com sistemas operacionais completos, máquinas com impressões digitais, programação digital, terminais de informática dentro das fábricas para atualizações instantâneas de produções, de controles de qualidade, movimentações de estoques, entre outros diferenciais.

Recentemente, começamos a entender a Indústria 4.0, uma nova revolução Industrial, ou seja, um conceito implementado nas indústrias que traz as principais inovações tecnológicas do setor, com controles e tecnologia automatizada que garante processos cada vez mais eficientes, autônomos e customizáveis.

Qualificação

No entanto é comum, nos dias atuais, encontrar empresas que mesmo evoluindo no que diz respeito a equipamentos tecnológicos e eficiência não deu a devida importância para a qualificação e treinamento dos funcionários do chão de fábrica. É importante lembrar que eles operam diretamente estes equipamentos avançados. Sabemos que a maioria das indústrias tem um Setor Administrativo que concentra as atividades financeira, comercial, de RH, marketing e diretorias. Separadamente, vem o Setor Industrial. A operação de sistemas integrados aumentou muito nos departamentos administrativos, ou seja, a precisão das informações apontadas no sistema tornou-se imprescindível com a tecnologia. No entanto, é da área industrial que saem informações relevantes e de impacto direto na movimentação do sistema, como: lançamentos de produção, consumo de produtos, estoques de inventários e toda a movimentação necessária desde a entrada de insumos até o processamento e distribuição de produtos acabados.

É evidente a importância de qualificar os profissionais do chão de fábrica. A operação dos equipamentos, bem como sua programação e atualizações, depende deles. Carregamentos, recebimentos e faturamento também fazem parte do escopo industrial. É preciso ter profissionais treinados que possam ser responsáveis por essas operações. Muitas tecnologias e equipamentos modernos facilitam o trabalho dentro da indústria, mas sem um treinamento específico e uma capacitação do responsável o que poderia ser um facilitador torna-se uma dificuldade.

A Gestão Industrial, responsável por toda a fábrica, deve ser capaz de identificar quais são as dificuldades e que treinamentos devem ser realizados para a perfeita sintonia entre homem e máquina.  

Uma pessoa que nunca dirigiu um carro automático normalmente diz ter preferência por um carro manual. Mas depois de dirigir, treinar e aprender a andar em um carro automático, nunca mais vai querer um carro manual. No chão de fábrica acontece o mesmo, pode acreditar!

 

Autor do post: Antonio Veiras, consultor de gestão da Florença





Você gostou? Compartilhe com seus amigos