Artigos

O que a Selic tem a ver com o seu negócio?

A instabilidade da economia brasileira afeta diretamente a vida das pessoas e das empresas, mas no meio desse vaivém de informações e especulações, um indicador atingiu o menor nível dos últimos anos, o que contribuiu consideravelmente com a geração de negócios: a taxa básica de juros da economia, a Selic. Entenda por que sua empresa tem bons motivos para comemorar esse cenário!

No dia a dia das empresas é comum utilizar capital de terceiros para fomentar o negócio, seja para investimentos ou financiamento de vendas (prática adotada por alguns setores do mercado). Quando esse capital vem de instituições financeiras, ele onera o negócio, principalmente em países com taxas de juros elevadas.

Sendo assim, quando o governo adota uma política de redução da taxa básica de juros, o resultado é imediato e garantido: potencializa-se o incentivo econômico para produção, venda e consumo, e reduz-se as despesas financeiras. Entenda melhor!

Incentivo econômico

Com uma taxa de juros menor, ou seja, crédito mais barato, impulsionam-se investimentos em bens de consumo, o que gera um efeito cascata: aquecimento da indústria, do comércio e do consumo.

Redução de despesas financeiras

Uma das formas de alavancar o fluxo de caixa uma empresa, seja para equalização das contas ou para investimentos, é a captação de recursos por meio de instituições financeiras. Porém, o resultado da operação de empresas que dependem desta captação é diretamente afetado pelas despesas financeiras com os juros cobrados por estes empréstimos.

Sendo assim, com a tendência de redução das taxas – o que vem ocorrendo –, empresas que captaram recursos na fase alta dos juros devem reavaliar seu endividamento, buscando alternativas de reduzir essa carga financeira onerosa.

Fique atento: as taxas de juros devem sempre ser levadas em conta ao elaborar um planejamento estratégico com vistas a buscar capital. Empresas atentas à política monetária do País são mais assertivas e ficam mais seguras na realização de operações de captação de recursos.

Autor do post: Luis Henrique Lenzi Bernardino, auditor e consultor da Florença Empresarial

Você gostou? Compartilhe com seus amigos